Projetos

Mission Atlantic

Este projeto trará uma abordagem holística e integrada para avaliar o estado de todo o Oceano Atlântico – Integrated Ecosystem Assessments (IEA). Esta metodologia permite o mapeamento de respostas dos ecossistemas às ações de manejo que contribuirão para a gestão sustentável e para a proteção dos recursos e dos ecossistemas marinho e costeiros do Atlântico.

Tem como Objetivos Gerais:

1) Definir os riscos decorrentes de pressões de atividades humanas, mudanças climáticas e riscos naturais;

2) Estabelecer o uso sustentável do ecossistema Atlântico em escalas global e regional.

O projeto envolve 34 instituições diferentes de diversos países da Europa, África, América do Sul e América do Norte.

Será desenvolvido de set/2020 a ago/2025 e na UFSC está baseando em uma parceria do LAGECI com  Laboratório de Biogeografia e Macroecologia Marinha (LBMM) do CCB/UFSC. Os dois laboratórios serão responsáveis pelos estudos de caso: South Mid-Atlantic Ridge e South Brazilian Shelf.

 

Subsídios para Avaliação da Transferência da Gestão das Praias Marítimas Urbanas aos Municípios (ATAGP)

Dentro do contexto da Gestão Costeira Integrada, a Secretaria do Patrimônio da União repassou aos municípios a gestão das praias, por meio da Lei Federal º 13.240/2015. No entanto, para viabilizar esta gestão os municípios devem assinar o Termo de Adesão de Gestão de Praias Urbanas (TGPA) no qual se comprometem a diversas obrigações, dentre elas apresentar o relatório de gestão de praias marítimas urbanas e a elaboração dos Planos de Gestão Integrada da Orla Marítima – PGIs. No entanto, os indicadores e formato destes relatórios não estão definidos e as diferenças regionais e municipais devem ser levada sem consideração. Além disso, as diretrizes do Projeto Orla, que levam a elaboração dos PGIs devem ser avaliadas e atualizadas. Sendo assim o principal objetivo deste projeto é o de qualificar o processo de transferência da gestão de praias marítimas urbanas às prefeituras municipais por meio do desenvolvimento de estratégias de fomento para a elaboração dos (PGIs) e de monitoramento da gestão das praias. Para tanto serão desenvolvidos indicadores e procedimentos para se definir o método de avaliação e controle do cumprimento do TAGP e subsidiar elaboração e monitoramento de novos PGI. Estes objetivos serão alcançados com base em workshop com especialistas, entrevistas com gestores, pesquisa de indicadores nacionais e internacionais, e revisão qualificada dos manuais do Projeto Orla.

Resultados já obtidos com este projeto:

Modelo de Relatório Anual de Gestão de Praias (clique aqui)
Incentivos à assinatura do Termo de Adesão à Gestão das Praias Marítimas (clique aqui)
Diretrizes para o desenvolvimento de Plano de Gestão Integrada da Orla Marítima (clique aqui)
Metodologia de avaliação dos Planos de Gestão Integrada da Orla entregues com base no conteúdo exigido pelo Termo de Adesão a Gestão de Praias e boas práticas reconhecidas (clique aqui)

Para saber mais acesse:

Gestão de Praias

 

Projeto LEAP – Leveraging Ecosystem-based Approaches for Priority-setting (South Atlantic Coast)

Não há dúvida de que a atual perda de biodiversidade está ameaçando a prestação de serviços ecológicos essenciais. Além disso, especialistas e formuladores de políticas têm fracassado nas medidas de conservação com abordagem efetiva dos ecossistemas costeiros e marinhos e dos serviços ecossistêmicos mais ameaçados. No caso da costa do Atlântico Sul (sul do Brasil, Uruguai e Argentina), podemos estar perdendo sistemas, funções e serviços ecológicos que não tivemos a oportunidade de estudar e compreender profundamente. Nesse contexto, são necessárias investigações conjuntas para acelerar a compreensão desses ecossistemas e servir como base comum para os atores políticos da região. Portanto, fóruns internacionais permanentes de cooperação técnica são indispensáveis para institucionalizar a tomada de decisões com base científica. O objetivo geral deste projeto é fomentar a cooperação de longo prazo entre a UFSC, a Universidade Federal do Rio Grande (Brasil), a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Brasil), a Universidade Nacional de Mar del Plata (Argentina), a Universidade da República (Uruguai) e a Comissão de Gestão de Ecossistemas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) no estudo de ecossistemas costeiros e marinhos e seus serviços ecossistêmicos. A cooperação envolverá investigações conjuntas para acelerar a compreensão desses ecossistemas, fornecer uma base comum para os atores políticos da região e institucionalizar a tomada de decisões com base científica.

Especificamente, o projeto visa criar um painel de especialistas das instituições acima mencionadas nos três países, que aplicarão uma metodologia inovadora de avaliação de risco para mapear e identificar ecossistemas ameaçados, definir serviços essenciais como metas de conservação e comunicar resultados a políticas relevantes. partes interessadas com o objetivo de institucionalizar a tomada de decisões com base científica.

A Lista Vermelha de Ecossistemas da IUCN (LVE) servirá como estrutura de avaliação e o resultado alimentará a definição de áreas prioritárias para conservação. A LVE é uma metodologia internacionalmente credenciada que fornece um padrão unificado com base em cinco critérios para a realização de avaliações baseadas em evidências do risco de colapso do ecossistema, conforme medido por reduções na distribuição geográfica ou degradação de processos e componentes-chave.

Saiba mais:

Projeto LEAP (clique aqui)
Lista Vermelha (clique aqui)

 

Modelo de Governança para a Zona Costeira

Na Ilha de Santa Catarina, Florianópolis, SC, a base de conhecimento ecossistêmico, das funções e interações dos ecossistemas marinhos e costeiros, com o objetivo de compreender de maneira conexa o Sistema Ilha de Santa Catarina (SISC), vem sendo desenvolvida pelo Laboratório de Gestão Costeira Integrada (LAGECI) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em parceria com pesquisadores de outras instituições, como aqueles vinculados ao Laboratório de Gerenciamento Costeiro (LABGERCO) da Universidade Federal de Rio Grande (FURG). Ainda que incipientes, os resultado já demonstram a grande pressão e a tendência de perda dos serviços ecossistêmicos do SISC. Salienta-se que, apesar da pressão evidente, pouco foi estudado e analisado do ponto de vista da estrutura de governança existente e que interfere na gestão do SISC. Assim, existe a necessidade de entender a estrutura, processos e conexões entre as políticas, instituições e ações e a governança associada e sua influência na gestão das pressões que levam à perda dos serviços ecossistêmicos e seus benefícios no SISC e em toda a costa brasileira. Assim, o projeto tem como objetivo principal desenvolver um modelo conceitual de governança para a zona costeira e a relação deste com a base de conhecimento ecossistêmico necessária para a gestão costeira integrada. Espera-se alcançar o entendimento da estrutura, processos e conexões entre as políticas, instituições e processos, a governança associada e sua influência na gestão das pressões que levam à perda dos serviços ecossistêmicos e seus benefícios no SISC e em toda a costa brasileira.